COVID 19: We are open and operating according to the procedures required by law.

The African Challenge | Chegamos à Tanzânia

Vindos de um país tão fascinante como Moçambique, a curiosidade era muita para ver como seria a vizinha Tanzânia.

A nossa experiência começou logo muito bem na fronteira tanzaniana, onde o atendimento foi deveras simpático por parte dos homens da alfândega e imigração, que não nos criaram qualquer dificuldade, oferecendo-nos, inclusivamente, um delicioso sumo natural de manga. Àquela hora e depois do que passamos na noite anterior, parecia um néctar acabado de entregar pelos deuses. Resumidamente, a primeira impressão do país foi muito boa.

O nosso primeiro objetivo era descansar e, assim, rumamos a Masasi, a cerca de 100 quilómetros dali, onde procuramos alojamento e aproveitamos para mandar lavar as motas (algumas nunca tinham recebido tratamento igual) e também lavar as nossas roupas que estavam num estado miserável.

Como tem sido habitual, a disponibilidade das gentes tanzanianas não ficou nada a dever às moçambicanas e podemos dizer que, pelo menos até agora, tudo tem superado as expectativas.

Já recompostos depois de uma boa noite de sono, a ideia era agora alcançar a capital do país, Dar es Salaam, que distava cerca de 600 quilómetros de Masasi.

Com um arranque ainda um pouco preguiçoso devido aos traumas do dia 30, lá nos fizemos à estrada pelas 7h30.

Porém, quando chegamos à costa, neste caso em Lindi, ficámos deveras maravilhados com as praias que vimos. O mar, embora ligeiramente revolto, apresentava a cor característica turquesa e era de facto um deleite para os olhos.

Confessamos que nos primeiros quilómetros ficamos um pouco desiludidos com a paisagem e as edificações, pois Moçambique, embora visivelmente mais pobre, apresentava-se num estado mais original, enquanto que na Tanzânia, fruto certamente de maior desenvolvimento, tudo pareceria menos original. Porém, quando chegamos à costa, neste caso em Lindi, ficámos deveras maravilhados com as praias que vimos. O mar, embora ligeiramente revolto, apresentava a cor característica turquesa e era de facto um deleite para os olhos.

Curiosamente, até bem perto da capital, a paisagem esmoreceu, perdendo muito o verde e as palmeiras características, mas a cerca de 100 quilómetros de Dar Es Salaam as palmeiras e os coqueiros voltaram a aparecer em grande quantidade, decorando a  paisagem.

Fascinantes, também, as vestes das mulheres e meninas que circulavam nas bermas da estrada, junto às várias aldeias que atravessamos. Eram vistosas e extremamente coloridas, naquele quadro de verde e luz mostravam-se magníficas.

A entrada na capital foi, como em qualquer cidade africana, caótica. Para nós até que é extremamente divertido. Como sempre, parece que no meio daquele caos tudo se encontra devidamente organizado e o bailado do trânsito segue sem problemas..

Amanhã rumamos a Arusha e ao imponente Kilimanjaro.